Hollywood, o nazismo e um ótimo momento para lembrar Orwell

Quem assistiu a reação entusiasmada ao discurso de Joaquin Phoenix, na cerimônia do Oscar no domingo passado, talvez não imagine que a indústria do cinema americano já cumpriu papel muito menos digno em sua história. É sobre um desses episódios que fala o livro O Pacto Entre Hollywood e o Nazismo, publicado há poucos meses pela editora Leya e de autoria de Ben Urwand.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O livro conta, com riqueza documental, como quase todos os grandes estúdios – que tinham na Alemanha o público mais lucrativo para seus filmes, depois dos EUA – colaboraram com o regime nazista ao longo da década de 1930. Isso se traduziu, na prática, no veto a atores, roteiros e personagens judeus. Além, é claro, de uma interdição informal à produção de filmes anti-nazistas.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Acho a obra uma ótima forma de lembrar sobre como colaborar com governos autoritários pode ter motivações diversas – neste caso, a principal era o lucro. Um livro resenhado aqui no perfil – Orwell e Churchill: a luta pela liberdade – demonstra, por outro lado, que não é preciso, necessariamente, ser de esquerda, de centro ou de direita para combater o fascismo. Basta defender, antes de tudo, princípios democráticos básicos.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Neste ano de 2020, aliás, completam-se 70 anos da morte de Orwell, ocasião pela qual a Companhia das Letras fará vários lançamentos relacionados ao escritor. No ano passado, a editora já havia publicado uma belíssima edição de “1984”, que conseguiu superar a anterior, também bonita e com textos complementares. A atual tem capa dura e em tecido, trazendo uma fortuna crítica com oito artigos. Além disso, o volume possui um ensaio visual da artista Regina Silveira e, ao final do romance, são apresentadas reproduções de 14 capas históricas da obra.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Mas o que a Companhia das Letras lançará neste ano será o livro “Orwell e a Verdade”, uma reunião de trechos de livros e cartas do escritor sobre o assunto, além de uma edição especial de “A Revolução dos Bichos” e uma versão em quadrinhos de “1984”. Por fim, ainda está previsto o título “O Ministério da Verdade: uma Biografia de 1984″, de Dorian Lynskey, livro inédito no Brasil.

Deixe uma resposta