Tematizando sociedade patriarcal e Estados autoritários, Kafka antecipa tragédias do século 20

Estas duas pequenas obras-primas de Franz Kafka, as novelas O Veredicto e Na Colônia Penal, pertencem a vertentes distintas de sua produção literária: a primeira voltada para a influência e as implicações da figura paterna e a outra para a violência empregada pelo Estado autoritário sobre o indivíduo. Pode-se dizer, no entanto, que ambas têm em comum a tematização da hierarquia e, por meio dela, a constituição de relações absolutamente desiguais de poder.

O Veredicto começa apresentando o comerciante Georg Bendemann na sacada de seu quarto, escrevendo uma carta para um amigo que há anos mora no exterior. Ele passa por uma boa fase em sua vida e tenta comunicar isso ao outro sem fazer com que ele, que enfrenta constantes dificuldades, se sinta mal com uma possível comparação entre ambos.

Após escrever a carta, Georg resolve mostrá-la ao pai, para que este dê uma opinião sobre o assunto. Desde que sua mãe morrera, pai e filho passaram a morar juntos e, frente ao abatimento de um viúvo enlutado, o protagonista também passou a ficar à frente da empresa familiar.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A resposta sobre o envio da carta é desconcertante. Após fazer acusações veladas sobre supostos comportamentos de Georg, o pai, que conhecera pessoalmente o destinatário da correspondência, questiona, em tom de acusação: “Você realmente tem esse amigo em São Petersburgo?”
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Essa pergunta, em princípio absurda, aliada ao cenário sombrio do quarto do pai, sua aparência descuidada e suas feições – ora ausentes, ora iradas – ajudam a criar um ambiente expressionista, ao mesmo tempo em que gera dúvidas sobre sua sanidade. A continuidade do diálogo, no entanto, vai criar um clima de incertezas que conduzirá a narrativa a uma inflexão cada vez mais aguda.

Temos uma impressionante tematização do conflito entre pai e filho, que também pode levar a transbordamentos interpretativos que abordem a sociedade patriarcal, cujas rígidas influência e hierarquia atingem a todos que estão sob as “regras do pai”.

A ambiência de O Veredicto, tão peculiar ao estilo de Kafka, tem como um dos seus pontos constitutivos a linguagem direta, concisa e precisa, que em princípio tece uma história perfeitamente baseada na verossimilhança com o real. Assim, quando o estranhamento surge, é dentro de um contexto narrativo que apenas acentua sua intensidade. Tais características narrativas também estão presentes em Na Colônica Penal.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Nessa segunda obra, encontramos a prisão rural de um lugar indefinido e, dentro dela, a cena de uma execução iminente. Ela será feita mediante uma estranha máquina, repleta de mecanismos integrados e automáticos, cujo objetivo é proporcionar suplício à pessoa condenada antes de sua morte. O oficial responsável descreve seu funcionamento em minúcias e com orgulho, intitulando-se como um “idealista” por defender sua utilização como necessária à Justiça.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ele é acompanhado por um visitante estrangeiro e algo ilustre, convidado para assistir à “cerimônia”. Discordando do procedimento, mas em silêncio, esse visitante vai ser convidado a dar sua opinião a respeito da máquina. É a partir desse ponto que a intriga se desenvolve.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Kafka trata sobre a aplicação da “justiça” em sociedades autoritárias e o uso da tortura nesse contexto. A novela também antecipa, para muitos, o que viria a acontecer ao longo do século 20. É difícil não pensar na tal máquina – impregnada da técnica e da eficiência modernas – como um símbolo de todo o sistema montado para o genocídio dos judeus na 2ª Guerra.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O carrasco idealista também se aproxima do perfil de um dos principais responsáveis pela operacionalização do Holocausto, Adolf Eichmann. Do comportamento de ambos pode-se depreender o que Hannah Arendt chamou de “banalidade do mal”. Não é difícil estabelecer correlações dessas temáticas com nosso tempo.

Infelizmente, cerca de um século depois, Kafka continua atual, e o brilhantismo de sua obra pode ajudar a enxergar realidades nas quais é difícil acreditar, por parecerem tanto com a ficção mais sombria.

Deixe uma resposta